Notícias

  1. CRO RN
  2. Notícias

JUBILEU DE OURO: TURMA BELÉM / BRASÍLIA 1967 / 2017

JUBILEU DE OURO: TURMA BELÉM / BRASÍLIA  1967 / 2017

No dia 14 de dezembro de 2017, os alunos remanescentes  da turma Sambaqui comemoraram 50 anos de formados do curso de Odontologia da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), num jantar realizado no restaurante do hotel Parque da Costeira, em Natal.

Um dos formandos de 1967, doutor Givaldo Soares,escreveu o texto abaixo para homenagear os colegas no  Jubileu de Ouro da turma e também a odontologia potiguar. 

"A Odontologia é uma profissão nobre. Não é fácil exercê-la!

Ela se afastou da Medicina, tornando-se independente.

Como toda especialidade medica, ela considera o homem na sua totalidade.

O Cirurgião Dentista é responsável pelo sistema mastigatório, que participa de várias funções essenciais à vida.

Mas, como disse o poeta Paulo Mendes Campos:

O homem é cabeça, tronco e membros. Só depois vêm as preocupações do espírito.

Portanto, em Medicina e Odontologia, o homem nunca pode ser considerado pela parte e sim, pelo todo.

O sistema mastigatório participa de várias funções inerentes à própria vida, e também às coisas ligadas aos aspectos espirituais e emocionais. O homem é um todo!

A mastigação, fonação, deglutição e respiração mantêm os seres vivos.

Já a expressão facial, o sorriso, o olhar e a linguagem, dizem respeito também à vida de relação e às questões emocionais e espirituais.

Não devemos esquecer a dor, a tristeza, a alegria e o sorriso, que o homem usa para conquistar e se relacionar com o outro.

A expressão facial é, talvez, o lado mais expressivo do ser humano. Por isso, o rosto é a expressão da alma!

Como a arte, que também imita a vida, tudo isso representado pelo sorriso de Monalisa, de Leonardo da Vinci.

Hoje, estamos comemorando o Jubileu de Ouro, de nossa formatura.

Não devemos esquecer os nossos mestres que, no passado, dedicaram suas respectivas vidas à nossa profissão.

Não devemos esquecer Manuel Cavalcante de Melo, primeiro Dentista a exercer a profissão no Rio Grande do Norte, em 1901.

Solon de Miranda Galvão e Clidenor Lago, pioneiros da atividade odontológica em Natal, em 1910; Dr. Francisco Ramalho, pernambucano de São José do Egito. Foi um dos fundadores da Associação Odontológica do RN e seu primeiro Presidente, em 27/09/1930.

Agradecemos a Luís Soares de Araújo, Professor Assuense, que lançou a ideia da criação da Faculdade de Odontologia, em 1945.

Devemos lembrar também José Cavalcante de Melo e Alberto Moreira Campos, fundadores da Faculdade de Odontologia, que começou a funcionar em 1949, formou a primeira turma em 1951, com 10 homens e 04 mulheres.

Destaque para o Dr. Fernando Dantas de Resende, que dedicou sua vida à Odontologia; foi Secretário durante 46 anos da Associação Brasileira de Odontologia do RN.

Como esquecer Clemente Galvão Neto, Solon Galvão Filho, Rosalvo Pinheiro Galvão e Joaquim Guilherme? A todos os Professores os nossos agradecimentos.

Mas não podemos esquecer também dos nossos colegas que compareceram ao Hotel Parque da Costeira, para um jantar e as comemorações cheias de emoções e saudades.

Todos já envelhecidos e com cabelos brancos, mas com o entusiasmo da juventude, relembrando fatos que ocorreram há 50 anos, provando que a memória é uma das expressões básicas do ser humano. As mulheres todas lindas, como há cinquenta anos.

Um momento não de tristeza, mas de recordação, quando o Padre José Campos, na hora da missa, anunciou o nome daqueles que não puderam comparecer, em virtude de já estarem na presença de Deus.

Como preito de saudade e de respeito à memória deles, citaremos seus nomes:

Cícero Figueiredo de S. Sobrinho; Cleide Miriam de Oliveira; Edvaldo Camilo da Silva; Elzenir Bezerra Peixoto; Gileno Bezerra Feitosa; Joaquim Francisco de Assis; José Augusto da Silva Filho; Marco Aurélio Gonzaga de Souza; Maria Carlos de Araújo; Maria da Salete Batista Teixeira e Raimunda Maria da Silva.

Um agradecimento especial ao fotógrafo Fred Galvão, que com grande profissionalismo, cobriu toda a solenidade com belas fotografias.

Como a festa deixou muitas saudades, é bom lembrar o poeta Severino Pinto do Monteiro:

Esta palavra saudade

Conheço desde criança.

Saudade de amor ausente

não é saudade é lembrança.

Saudade só é saudade

Quando morre a esperança."

Autor: Givaldo Soares, cirurgião-dentista, 80 anos.

HOMENAGEM À DOUTORA MARIA MARLUCE DE SOUZA

Marluce sempre foi uma figura querida na nossa turma. Depois de nossa formatura em 14/12/67, ela sempre se preocupou em reunir o grupo a cada ano, para evitar uma dispersão. Assim, chegamos ao Jubileu de Ouro, e ela sempre à frente. E esta entrevista é uma homenagem à sua grandeza e dedicação.

-  Como foi sua infância e seus estudos iniciais?

Marluce A minha infância foi igual a cem mil outras da minha época. Recebi educação de meus pais em casa, junto aos meus 4 irmãos: Fui sempre muito tímida e sensível. Chorava com facilidade quando algum desejo não era realizado. Recebi instrução nas escolas: – Externato São Luiz – de Padre Eimar: Curso Primário;  – Colégio Nossa Senhora das Neves: Curso Ginasial;  – Colégio Estadual do Atheneu Norte-Rio-Grandense: Curso Cientifico.

- Quando e por quê, você fez opção pela Odontologia?

 Marluce Nunca pensei em ser Dentista. Morria de medo deles! Pensava em fazer Medicina ou Pedagogia. Achei que não estava preparada para prestar vestibular, pois acabava de concluir o curso cientifico. Mesmo assim, me inscrevi para Medicina, Farmácia e Odontologia, pois na época podíamos fazer mais de um vestibular. Tive sorte. Passei em 11º lugar em Farmácia, 12º em Odontologia e em Medicina não fui aprovada, por 1 ponto em Física. Para não perder 1 ano, resolvi me matricular em Odontologia, e frequentar um curso pré-vestibular para tentar Medicina no ano seguinte. Com 4 meses de curso de Odontologia, foi que percebi que estava no lugar certo. Desisti de Medicina e optei por Odontologia. Não me arrependi. Sou realizada profissionalmente.

- A participação das mulheres nas entidades de classe é muito pequena e na atividade política também.  No Conselho Regional de Odontologia estão inscritas, hoje, 2.147 mulheres e 1.613 homens. Como você vê a participação feminina nas várias atividades profissionais e políticas?

 Marluce A mulher atual quebrou o tabu de ser feita apenas para o lar. Sem perder a feminilidade, ela participa também da vida pública, e provou que é capaz de exercer profissões e cargos que, há bem pouco, eram privilégio dos homens. Portanto, vejo a presença da mulher, não só no exercício da Odontologia, mas em outras profissões, como uma confirmação do avanço cultural e técnico, e a satisfação de contribuir para o bem da humanidade.

- Nossa turma se destacou na política cultural e na participação esportiva. Foi tetra campeã dos jogos olímpicos universitários, em 1966. Fale um pouco desse momento e dos atletas mais destacados.

 Marluce Em 1966, a Odontologia foi tetra campeão dos Jogos Olímpicos Universitários. Inesquecível!  Para a nossa turma foi motivo de muito orgulho, pois 80% dos atletas pertenciam a nossa turma. Citarei algumas modalidades e alguns atletas que se destacaram. Impossível citar todos...

- Atletismo: Elzenir e Moacir;

- Basquetebol: José Wilson e Ícaro;

- Futebol de Campo (Poeira):  Givaldo e Guerra;

- Futebol de Salão:  - Múcio (Goleiro);

- Tênis de Mesa: -  Inezinha, Clésia e Glécio;

- Voleibol: -  Gilberto, Licélia, Ediuza e Zélia Martins.

- Ao término do curso, onde você exerceu a profissão odontológica? No serviço público, na iniciativa privada ou no magistério?

 Marluce    Conclui o Curso de Odontologia em 1967. Em 1968, fui estagiária na Disciplina de Prótese, com o saudoso Professor Rosalvo Galvão, e atendia em meu consultório particular. Em 1974, fui para o Rio de Janeiro, a convite de um colega para atuar em sua Rede de Clínicas Odontológicas, onde permaneci até 1978, quando retornei a Natal para assumir a função de Dentista, na Secretaria Estadual de Saúde Pública, e reassumi o meu consultório. Em 1983, fui convidada para ser Dentista no CLBI – Centro de Lançamento de Foguetes da Barreira do Inferno, até 1987. Na despedida, fui agraciada com uma comenda por bons serviços prestados. Nas horas que sobravam, estava sempre no meu consultório particular, atendendo aos que me procuravam e acreditavam no meu trabalho.

- Seu hobby é viajar.  Quantos países você já conheceu, e o que mais lhe impressionou nessas viagens?

Marluce Por gostar muito de viajar, já conheci muitos países das Américas e de outros Continentes.  A primeira viagem ao exterior foi para a Europa, em julho de 1988. Não sei quando será a última, pois não paro. A mala está sempre pronta! Costumo voltar aos lugares de que gostei. Europa e Estados Unidos da América, já perdi as contas. Argentina 16 vezes.  Nas Américas conheci:

 - América do Norte – Canadá, Estados Unidos e México.

-  América Central – Panamá, Caribe – Aruba, Cartagena, Cuba e Curaçao.

-  América do Sul – 7 países

Nos Continentes conheci:

- Europa: Dos quase 50 países, conheci 26. Impossível citar todos...

- Ásia: Dubai, China, Índia, Tailândia e Turquia. É tudo muito lindo!

O que mais me impressionou:  

- Caminhar na Praça da Paz Celestial e na Grande Muralha da China;  

- Conhecer o Thaj Mahal e o Palácio dos Marajás, na Índia 

- As belezas arquitetônicas, nas estações do Metrô e na Catedral de São Basílio, na Praça Vermelha, em Moscou/ Rússia; 

- Museu Hermitage e Palácio de Verão de Catarina, a Grande, em St. Petersburgo/Rússia;  

- Subir a Acrópole, em Atenas/Grécia; 

- Passar na Porta de Brandenburgo e tocar no Muro de Berlim /Alemanha.

- Em 14 de dezembro de 1967, concluímos o curso de Odontologia. Em 14/12/17 comemoramos o Jubileu de Ouro, 50 anos de nossa formatura. Como você se sentiu ao organizar esse evento com tanto êxito?

Marluce Não foi fácil organizar o evento, mas foi gratificante no final. Foram muitos momentos planejando. Tinha as ideias, passava para o meu caderno de anotações e, geralmente, à noite, me comunicava com os colegas, Barreto, Givaldo e Germano para saber o que eles achavam das ideias. Geralmente, aprovavam. Barreto sempre dizia: - Vamos bater o martelo!  Depois de aprovada a programação por vários colegas, em reunião no Nick Buffet, em 26/05/2017, iniciei a pesquisa por: hotel; Padre para celebrar a missa; músicos para animar a festa; fotógrafo etc. etc. No final, tudo deu certo!Senti-me muito orgulhosa com o êxito do evento e o reconhecimento pelos colegas e familiares. Falhas devem ter acontecido, mas não chegaram a atingir o brilho de nossa festa. Peço desculpas! Agradeço aos colegas e familiares que acreditaram em mim, comparecendo ao evento. Aproveito a oportunidade para agradecer a Janete Soares, esposa do colega Givaldo, pelo apoio nas horas que dela necessitei. 

Colaborador da entrevista: Dr. Givaldo Soares

Confira a galera a galeria de fotos clicando aqui

Outras Notícias