;

Notícias

  1. CRO RN
  2. Notícias

Depois de pressão do CRO-RN e SOERN, CEO da Ribeira é fechado para reforma

O Centro de Especialidades Odontológicas da Ribeira (CEO), que também atendia urgências 24 horas, foi fechado pela secretaria Municipal de Saúde nesta terça-feira, dia 12 de maio, depois que o Conselho Regional de Odontologia do RN (CRO-RN) e o sindicato dos Odontologistas do RN (SOERN) decidiram orientar os dentistas a não mais atender na unidade devido as precarias condições físicas do prédio.

Desde o início de março, depois das fortes chuvas de fevereiro, o CEO estava com oito consultórios interditados devido as goteiras que pingavam nos equipamentos.

Devido as chuvas, o forro de gesso do salão onde ficavam os consultórios e o atendimento de urgência ficou totalmente alagado, com risco de desabamento.

No final de abril, as chuvas voltaram com intensidade e uma parte do teto de gesso veio abaixo, mas não feriu ninguém porque a sala já estava interditada.

Na terça-feira, às 9 horas, o CRO-RN e o SOERN fariam um movimento de protesto pela situação do CEO, mas na segunda-feira, a própria direção da unidade decidiu suspender o atendimento a partir das 22 horas, alegando falta de condições.

Os presidentes do CRO-RN e SOERN, Eimar Lopes e Ivan Tavares Farias Júnior, estiveram no CEO da Ribeira na terça-feira pela manhã, onde conversaram a respeito da situação da unidade e como vai ficar a situação dos cerca de 30 cirurgiões-dentistas que trabalham ali.

Segundo o presidente do CRO-RN, além da segurança dos profissionais, os próprios usuários do CEO estavam correndo risco com as péssimas condições físicas do prédio.

O CRO-RN e o SOERN vão criar uma equipe para acompanhar a reforma do prédio, fiscalizando os trabalhos e também para acelerar a reabertura do CEO.

"A reforma do prédio era necessária, o que lamentamos é que o fechamento do CEO vai acarretar prejuízos para a população, principalmente para aquelas pessoas que vinham fazendo já o tratamento dentário", disse o presidente do CRO-RN.

O CEO da Ribeira também era a única unidade da prefeitura que atendia pacientes portadores de necessidades especiais, que agora ficarão sem atendimentos.

Em média, o CEO da Ribeira atendia cerca de 200 pessoas por dia, o que resultava em seis mil atendimentos por mês. Desde março, com a interdição de oito consultórios, cerca de seis mil usários do Sistema Único de Saúde deixaram de ser atendidos naquela unidade.

A diretora do CEO, Marlene Batista de Vasconcelo, disse que a Secretaria Municipal de Saúde foi comunicada desde fevereiro sobre as precárias condições físicas do prédio.

Segundo ela, só na quinta-feira, depois de uma reunião marcada com todos os funcionários do centro, na sede do Distrito Sanitároo Leste (o CEO está ligado a este distrito), poderia informar como ficarão os servidores  da unidade.

A gerente do Distrito Sanitário Leste, Elisama Batista, disse que a reforma do prédio deve demorar uns três meses e a prefeitura vai investir cerca de R$ 150 mil na obra.

Ela explicou que, dessa vez, a reforma será mais ampla, contemplando, além do retelhamento do prédio e a construção de uma laje, a colocacão de divisórias entre os ambulatórios e as salas de atendimento de urgências. 

Segundo a gerente, uma nova sala de prótese será construída na unidade. Elisama disse que o início das obras está previsto para a próxima semana.

A secretaria Municipal de Saúde ainda não informou se um novo prédio será alugado para abrigar as equipes que atendiam nas urgências e nas especialidades enquanto a unidade da Ribeira permanecer fechada para a reforma.

Também não há informação sobre a empresa que fará a reforma.

Leia a reportagem do jornal Tribuna do Norte sobre o fechamento do CEO clicando no link abaixo:

tribunadonorte.com.br/noticias/109244.html

Leia abaixo a reportagem do Diário de Natal sobre o CEO da Ribeira.

A população que necessita de atendimento dentário pelo SUS não poderá contar com os serviços do Centro Odontológico Morton Mariz, na Ribeira, nos próximos três meses. A unidade, que oferece atendimento de urgência e seis especialidades, está inerditada pela prefeitura desde o último domingo, depois que parte do teto da sala de auto-atendimento caiu, o que levou o Conselho Regional de Odontologia (CRO) a anunciar que recomendaria o fechamento por falta de segurança da estrutura física. A Secretaria Municipal de Saúde anunciou que vai iniciar reformas no prédio dentro de duas semanas e que as obras devem ser concluídas em 90 dias.

Os pacientes estão sendo orientados a procurar os postos de saúde dos bairros onde moram ou as unidades odontológicas de Pajuçara, Mãe Luíza, Cidade da Esperança e Cidade Satélite. No entanto, alguns usuários dizem que também não têm sido atendidos em outras unidades. A desempregada Maria da Glória da Rocha já havia passado peloposto de Candelária e pela unidade de Cidade da Esperança, antes de ir à Ribeira. "Essa é a terceira unidade que procuro. Só queria fazer um raio-x, mas vou ter que voltar para casa", desabafou.

O Centro da Ribeira é considerado como de referência no estado. A diretora da unidade, Marlene Batista de Vasconcelos, admite o prejuízo à população. "Os pacientes serão prejudicados, mas vamos fazer o quê, não é?", perguntou.

O presidente do CRO, Eimar Lopes de Oliveira, acha que o poder público "não se mexe" para resolver os problemas e desabafa: "estou me sentindo um interditador".

De acordo com o secretário adjunto de Operacionalização da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Ronaldo Machado, a prefeitura dará entrada no processo da licitação emergencial para as obras ainda esta semana. "A expectativa é de que o serviço comece em, no máximo, 15 dias. A obra deve durar três meses. Se fosse uma reforma menor, gastaríamos menos tempo. Mas como vamos precisar lajear o teto, que hoje é de gesso, vai demorar mais", afirmou.


 

Outras Notícias