;

Notícias

  1. CRO RN
  2. Notícias

Morre de câncer o professor aposentado da UFRN, Ivanildo Ferreira Carvalho

Morre de câncer o professor aposentado da UFRN, Ivanildo Ferreira Carvalho
Segundo da esquerda para a direita, Ivanildo com os outros integrantes da Banda Anos 60

O cirurgião-dentista e professor aposentado da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Ivanildo Ferreira Carvalho, 69 anos, morreu na manhã deste sábado, 23 de março, após uma semana internado na Policlinica do Alecrim.

O corpo foi velado no cemitério Morada da Paz Emaús  e, às 20hs do mesmo dia, foi cremado em cerimônia com a presença dos familiares.

Professor aposentado da UFRN, Ivanildo Ferreira Carvalho foi titular da disciplina de Radiologia no Departamento de Odontologia da UFRN.

Ivanildo estava internado desde domingo, (17), na Policlínica do Alecrim, quando seu estado geral de saúde se agravou. Ele morreu após parada cardiorrespiratória em consequência do câncer (iniciou na bexiga e depois atingiu os pulmões), que vinha tratando há 4 anos. 

Ao tomar conhecimento da morte do colega dentista, o presidente do CRO-RN, Gláucio de Morais e Silva, lamentou sua a morte e lembrou que foi aluno dele na graduação.

“É uma grande perda para Odontologia Potiguar. O professor Ivanildo transmitiu não só conhecimento, mas simplicidade e bom humor. Que Deus conforte os corações dos familiares e amigos, dando-lhes forças para transformar toda dor desta perda irreparável em fé e esperança”, disse o presidente do CRO-RN.

O professor Ivanildo era casado com Berta Maria Pacheco de Carvalho e deixa quatro filhos: Luciano Pacheco de Carvalho, Fabiano Pacheco de Carvalho, Henrique Pacheco de Carvalho e Marcelo Pacheco de Carvalho. Os dois primeiros também são cirurgiões-dentistas.

Para o ex-presidente do CRO-RN, Eimar Lopes, a morte do doutor Ivanildo é “uma noticia muito triste para a odontologia potiguar e do Brasil”.

Segundo Lopes, além da sua simplicidade e de sua capacidade como professor de Radiologia, Ivanildo também militou em outra vertente, a música.

“Ele foi baixista da banda Anos 60 durante algum tempo. Era uma pessoa que sempre prestou muito serviço ao CRO. Nas eleições, sempre trabalhou como mesário e sempre que era convocado, se colocava à inteira disposição do Conselho”, conta o ex-presidente do CRO-RN.

“Portanto, eu acho que perde a odontologia, perde a cidade de Natal, perdemos todos nós”, disse Lopes.

Outras Notícias