;

Artigos

  1. CRO RN
  2. Artigos

RELEMBRANDO LAGOA DOS GATOS (I)

Uma crônica musical do jornalista Rui Castro, na Folha de São Paulo (17/08/17), me emocionou e me transportou a Lagoa dos Gatos nos anos 50.

O título da crônica: “Sem fala diante de Dick”.

A Prefeitura de Lagoa dos Gatos, no interior de Pernambuco, tinha uma amplificadora, que todas as tardes apresentavam um programa sobre Música Popular Brasileira.

No programa podíamos ouvir: Silvio Caldas, Orlando Silva, Nelson Gonçalves, Chico Alves e um jovem cantor chamado Dick Farney, que era o favorito dos jovens de minha cidade.

Entre eles estavam: José Pinto, Nelson João Silva, Júlio Lira e Zizi.

Uma curiosidade: todos Alfaiates.

Eu, o mais jovem deles, sem profissão definida, jogava sinuca e era corretor zoológico (cambista), na banca do “jogo do bicho”,de José Severino.

Na crônica de Rui Castro, acima referida, ele conta o encontro de Cauby Peixoto e Dick Farney, em 1953, no Rio de Janeiro.

Cauby ficou tão emocionado, que quando apertou a mão de Dick Farney, não teve condição de falar.

O tempo passou, Cauby foi crescendo e Dick desaparecendo, ficou quase no anonimato.

No final de sua vida, Cauby Peixoto resolveu prestar uma homenagem a Dick Farney, gravando um disco, com músicas exclusivamente dele.

Gravou, mais não conseguiu ouvir, a beleza que produziu, morrendo três meses depois.

Em 1955, cheguei em Natal e fui morar na Casa do Estudante, alí na Cidade Alta, com a bela vista do rio Potengi.

1958, o jornalista Paulo Macedo, cronista social, levou o cantor Cauby Peixoto para participar de um café da manhã, no aniversário da Casa do Estudante.

Cauby cantou no final do café “Ave Maria”, de Franz Schubert, acompanhado no violão, de Felipe, estudante da casa.

O médico Psiquiatra Joaquim Elói, figura histórica da medicina potiguar, descobriu em seus arquivos implacáveis, a fotografia do café, em 1958, onde ele aparece juntamente com o presidente da casa Wellington Xavier, William Ubirajara e o cantor Cauby Peixoto.

Essa fotografia nos remete a Casa do Estudante dos anos 50, também conhecida como a casa da felicidade.

(Givaldo Soares, cirurgião-dentista)

Dr. Gilvado Soares